Canabidiol contra esquizofrenia: o que se sabe até agora?

Canabidiol contra esquizofrenia: o que se sabe até agora?

Postado por Dr. Pedro Alvarenga

O uso do canabidiol contra esquizofrenia é uma das condições médicas que têm apresentado resultados cada vez mais promissores. Seja pelo seu efeito antipsicótico ou pelo bom perfil de tolerabilidade. 

Apesar disso, os produtos à base de Cannabis ainda enfrentam um grande desafio para sua prescrição, muito ainda pelos estigmas sociais e resultados com o uso recreativo da planta.

Contudo, em um contexto de uso medicinal e científico, o uso do CBD pode trazer benefícios terapêuticos para o tratamento de transtornos mentais graves. Proporcionando assim, alívio dos sintomas e uma melhora na qualidade de vida. 

Quer entender melhor como isso é possível? Acompanhe a leitura e descubra tudo que se sabe sobre o uso do canabidiol contra esquizofrenia. 

Há evidências do uso de canabidiol contra esquizofrenia?

A primeira evidência sobre o uso do canabidiol contra esquizofrenia surgiu em 1982, quando um estudo sobre as interações entre o tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD) em voluntários normais e saudáveis apontou propriedades antipsicóticas no CBD. 

Na ocasião, pesquisadores constataram que a substância mais abundante e estudada da Cannabis é capaz de bloquear a ansiedade e demais sintomas psicóticos provocados pelo próprio delta 9-THC no organismo

Dessa forma, novos estudos clínicos a respeito do uso do canabidiol para o tratamento de doenças mentais puderam evoluir. Entenda: 

O que dizem os estudos sobre canabidiol e esquizofrenia?

Evidências clínicas encontradas em animais e humanos indicam que o canabidiol pode representar um novo tratamento para a esquizofrenia. Assim, cabe aos pesquisadores avaliarem a segurança e eficácia da substância em pacientes que sofrem com a doença.

Partindo de análises pré-clínicas, feitas em modelos animais susceptíveis a alterações de comportamento, o canabidiol se mostrou capaz de reduzir comportamentos cognitivos e positivos da patologia. 

Além disso, estudos evidenciaram que o CBD pode atuar como modulador hipocampal de glutamato, um neurotransmissor fundamental que atua na cognição, memória e no mecanismo de algumas doenças neurodegenerativas. 

Em ensaio duplo-cego conduzido com pacientes esquizofrênicos, dois grupos randomizados foram definidos: um deles recebeu o CBD e o outro grupo placebo, mantendo as demais medicações de uso habitual. 

Após seis semanas de intervenção, no comparativo, aqueles que usaram o canabidiol contra esquizofrenia apresentaram níveis mais baixos de sintomas psicóticos positivos. Assim como o uso bem tolerado e baixos efeitos adversos. 

Os resultados foram avaliados antes e após o tratamento, usando a Escala de Síndrome Positiva e Negativa (PANSS), a Avaliação Breve da Cognição na Esquizofrenia (BACS), a Escala de Avaliação Global de Funcionamento (GAF) e as escalas de melhora e gravidade das Impressões Clínicas Globais Escala (CGI-I e CGI-S) como referência.  

Outro estudo realizado publicado na Frontiers in Molecular Neuroscience, reforça a hipótese ao concluir que o CBD possui efeitos similares a outros fármacos normalmente utilizados para o tratamento da doença, mas com mecanismo de ação distinto, evidenciando o potencial do canabidiol contra a esquizofrenia. 

A publicação também aponta que os compostos da Cannabis cancelaram os efeitos da substância que danifica a bainha de mielina, que prejudica a transmissão dos impulsos nervosos, sendo uma das prováveis causas do transtorno.

Médico segurando um frasco de óleo de CBD. Imagem ilustrativa texto canabidiol contra esquizofrenia
Evidências médicas e científicas mostram que o CBD pode representar um novo tratamento para a esquizofrenia.

Cannabis como fator de risco para esquizofrenia

Sabe-se que o uso recreativo da Cannabis por indivíduos predispostos pode ocasionar diversos transtornos psiquiátricos, além de dependência e déficits intelectuais.

Fazendo com que a planta fosse considerada um fator de risco para esquizofrenia para pessoas com vulnerabilidade genética ou psicossocial. 

No entanto, é preciso ponderar que a Cannabis não é a causa para o desenvolvimento da doença, conforme evidenciado no artigo publicado no Brazilian Journal of Psychiatry

Segundo a publicação, “a maior parte das pessoas que usam Cannabis não desenvolve esquizofrenia e muitas pessoas diagnosticadas com esquizofrenia nunca utilizaram Cannabis”.

Além disso, em 2010, outro estudo confirmou o potencial antipsicótico do canabidiol para a população em geral, incluindo pacientes com transtornos psiquiátricos existentes. A pesquisa afirmou que os “dados são consistentes com um potencial terapêutico do CBD na melhora das consequências psiquiátricas” para ambos os perfis.

Um breve resumo sobre a esquizofrenia

A esquizofrenia é um transtorno mental crônico que atinge cerca de 21 milhões de pessoas no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. No Brasil, este número chega a dois milhões de pacientes.

Caracterizada por crises psicóticas e incapacitantes, com alterações no pensamento, emoções e comportamento, quem sofre deste transtorno costuma viver em uma ‘realidade paralela’, com dissociação do que é real ou imaginário. 

É comum que pacientes esquizofrênicos tenham alucinações visuais e auditivas, delírios, comportamento e reações anormais, distúrbios do pensamento e emoções, além de uma piora da cognição.

Tais sintomas podem impactar a vida pessoal, profissional e o relacionamento interpessoal no dia a dia do indivíduo. 

Até então, a medicina não sabe precisar as causas exatas e o que acontece no cérebro de quem sofre deste distúrbio, sendo um grande mistério por trás da esquizofrenia. 

Quais os sintomas da esquizofrenia?

A esquizofrenia pode se manifestar de diversas maneiras, seja de forma súbita ou gradual, com alterações de comportamento que evoluem durante dias a anos. 

Os familiares e amigos mais próximos, normalmente, são os primeiros a notarem os sinais iniciais no comportamento, ao perceberem a pessoa mais afastada, confusa e desconfiada. No geral, os principais sintomas da esquizofrenia são:

  • Delírios (mania de perseguição, traição, super poderes, etc);
  • alucinações como ouvir vozes e ter visões; 
  • pensamento desorganizado;
  • movimentos descoordenados e involuntários; 
  • surtos psicóticos, agressividade, agitação e risco de sucídio;
  • falta de atenção e concentração; 
  • alterações na memória e dificuldades no aprendizado; 
  • perda da capacidade de expressar sentimentos;
  • apatia; 
  • perda de vontade ou iniciativa;
  • isolamento social; e
  • falta de autocuidado.

Por sua vez, o tratamento da esquizofrenia é focado em aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida da pessoa. 

Para isso, o médico responsável pode recomendar medicamentos antipsicóticos, assim como psicoterapia e técnicas comportamentais para ajudar na reabilitação e integração social. 

É possível contar com o canabidiol no tratamento?

Cientista de pesquisa médica trabalhando no computador com varreduras cerebrais para entender o cérebro humano. Imagem ilustrativa texto canabidiol contra esquizofrenia
Um dos grandes desafios da medicina é entender as causas da esquizofrenia no corpo humano.

As evidências na abordagem do canabidiol contra esquizofrenia são bastante animadoras, visto as dificuldades diante a farmacoterapia convencional em relação à doença.

Isso significa que um contexto eficaz na prescrição do CBD pode trazer benefícios terapêuticos em patologias graves, limitantes e de tratamento desafiador, como a esquizofrenia. 

Dessa forma, a Cannabis para fim medicinal destaca-se como uma alternativa promissora e segura de tratamento, considerando a eficácia e os baixos efeitos adversos no organismo, sendo uma solução para quem sofre com a doença.

Caso você tenha interesse em iniciar o tratamento com o canabidiol no Brasil, o primeiro passo é consultar e conversar com o médico responsável. Ele avaliará a indicação, assim como a titulação da dosagem ideal e o produto adequado para cada caso. 

Atualmente, além da prescrição médica por profissionais legalmente habilitados, é preciso solicitar uma autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a importação do produto.

Deu para entender o potencial do canabidiol contra esquizofrenia? Os resultados estão sendo cada vez mais promissores e, por isso, é importante ficar por dentro do assunto, buscando informações confiáveis e atualizadas. 

Então, continue acompanhando nosso blog e compartilhe como o CBD pode ser um grande aliado para o tratamento de doenças mentais.

Referências

Bhattacharyya, S., Morrison, PD, Fusar-Poli, P., Martin-Santos, R., Borgwardt, S., Winton-Brown, T., Nosarti, C., O’ Carroll, CM, Seal, M. , Allen, P., Mehta, MA, Stone, JM, Tunstall, N., Giampietro, V., Kapur, S., Murray, RM, Zuardi, AW, Crippa, JA, Atakan, Z., & McGuire, PK (2010). Efeitos opostos de delta-9-tetrahidrocanabinol e canabidiol na função cerebral humana e psicopatologia. Neuropsychopharmacology: publicação oficial do American College of Neuropsychopharmacology , 35 (3), 764-774. https://doi.org/10.1038/npp.2009.184 

Falvella Ana Caroline Brambilla, Smith Bradley Joseph, Silva-Costa Licia C., Valença Aline G. F., Crunfli Fernanda, Zuardi Antonio W., Hallak Jaime E., Crippa José A., Almeida Valéria de, Martins-de-Souza Daniel. Cannabidiol Displays Proteomic Similarities to Antipsychotics in Cuprizone-Exposed Human Oligodendrocytic Cell Line MO3.13 . Frontiers in Molecular Neuroscience, 14, 2021. https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fnmol.2021.673144. DOI=10.3389/fnmol.2021.673144    

Sewell, R. Andrew et al. Efeitos comportamentais, cognitivos e psicofisiológicos dos canabinoides: relevância para a psicose e a esquizofrenia. Brazilian Journal of Psychiatry [online]. 2010, v. 32, suppl 1 [Acessado 14 Junho 2022] , pp. 515-530. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S1516-44462010000500005>. Epub 24 Maio 2010. ISSN 1809-452X. https://doi.org/10.1590/S1516-44462010000500005

Gururajan, A., & Malone, D. T. (2016). Does cannabidiol have a role in the treatment of schizophrenia?. Schizophrenia research, 176(2-3), 281–290. https://doi.org/10.1016/j.schres.2016.06.022 

O’Neill A, Annibale L, Blest-Hopley G, Wilson R, Giampietro V, Bhattacharyya S. Modulação de canabidiol do glutamato hipocampal na psicose precoce. Revista de Psicofarmacologia . 2021;35(7):814-822. doi: 10.1177/02698811211001107

Peres Fernanda F., Diana Mariana C., Levin Raquel, Suiama Mayra A., Almeida Valéria, Vendramini Ana M., Santos Camila M., Zuardi Antônio W., Hallak Jaime E. C., Crippa José A., Abílio Vanessa C. Cannabidiol Administered During Peri-Adolescence Prevents Behavioral Abnormalities in an Animal Model of Schizophrenia. Frontiers in Pharmacology. https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fphar.2018.00901 DOI=10.3389/fphar.2018.00901  

Leweke, F. M., Piomelli, D., Pahlisch, F., Muhl, D., Gerth, C. W., Hoyer, C., Klosterkötter, J., Hellmich, M., & Koethe, D. (2012). Cannabidiol enhances anandamide signaling and alleviates psychotic symptoms of schizophrenia. Translational psychiatry, 2(3), e94. https://doi.org/10.1038/tp.2012.15 

McGuire, P., Robson, P., Cubala, W. J., Vasile, D., Morrison, P. D., Barron, R., Taylor, A., & Wright, S. (2018). Cannabidiol (CBD) as an Adjunctive Therapy in Schizophrenia: A Multicenter Randomized Controlled Trial. The American journal of psychiatry, 175(3), 225–231. https://doi.org/10.1176/appi.ajp.2017.17030325