Você sabe como a cannabis e o estrogênio podem beneficiar a saúde da mulher? As variações nos níveis hormonais da mulher são responsáveis por desencadear processos naturais no corpo, como a menstruação. 

No entanto, essas alterações também geram efeitos colaterais que podem ser muito incômodos e interferem diretamente na rotina do dia a dia. A oscilação do estrogênio pode causar alterações de humor inesperadas, por exemplo. 

O sistema endocanabinóide, sendo responsável por regular diversas respostas fisiológicas, é um aliado para controlar as reações indesejadas. 

As sensações de dor e desconforto, assim como as alterações de apetite e humor, podem ser amenizadas equilibrando o sistema endocanabinóide. Existem diversas maneiras de se fazer isso e uma delas é o uso da terapia canabinoide

Neste texto, você vai entender como a cannabis ajuda na produção e regulação do estrogênio e seus efeitos terapêuticos no corpo feminino. Acompanhe a leitura.

Qual a relação entre a cannabis e o estrogênio? 

Os canabinóides encontrados na Cannabis medicinal, como o CBD, THC, CBN, entre outros, se ligam aos receptores naturais que pertencem ao nosso Sistema Endocanabinóide (SE). 

Quando o estrogênio atinge seu nível máximo, o mesmo acontece com os endocanabinóides e vice-versa. 

Um estudo da universidade de Washington com fêmeas de camundongo mostrou que elas eram 30% mais sensíveis aos efeitos do THC do que os machos. 

Segundo os cientistas, a razão seria a maior concentração do estrogênio, o que as tornaria sensíveis ao tetrahidrocanabinol durante a ovulação. Ou seja, os efeitos do THC são mais fortes quando os respectivos níveis hormonais são altos.

Isso explicaria as alterações de humor comuns durante a menopausa, quando os níveis de estrogênio caem drasticamente.

Importância do Sistema Endocanabinóide

O Sistema Endocanabinóide (SE) desempenha um papel importante para a nossa saúde. Afinal, é ele quem ajuda a manter o equilíbrio de várias funções do corpo humano, como fome, sono, humor, imunidade, dor e até a memória. 

Isso acontece, pois os receptores e as substâncias endocanabinoides estão presentes por todos os nossos órgãos e sistemas, executando diferentes tarefas visando a homeostase, que é a capacidade do organismo se manter equilibrado.

Quando os endocanabinóides são estimulados, uma variedade de mecanismos fisiológicos ocorrem para regular o organismo. Até o momento, os principais receptores estudados são o CB1 e o CB2. 

Entre seus efeitos e benefícios, pode-se listar a regulação do apetite, dor, inflamação, pressão intraocular, controle muscular, equilíbrio de energia, metabolismo, qualidade do sono, resposta a estresse, humor, memória e entre outros. 

Quais os impactos da variação nos níveis de estrogênio? 

O estrogênio é o hormônio responsável pela manutenção e controle da função reprodutiva feminina e desenvolvimento das características sexuais da mulher, como aumento dos seios e crescimento dos pêlos pubianos.

Sua atuação no metabolismo do corpo feminino vai desde a puberdade, passando pela gravidez até chegar à fase da menopausa. 

Todavia, a sua principal ação acontece durante a vida reprodutiva, em que os estrogênios ajudam a estimular o crescimento do folículo ovariano para que ocorra a ovulação.

O ciclo menstrual começa no primeiro dia da menstruação e termina com o início da próxima. Sua duração completa varia entre 24 e 38 dias, podendo alternar de um mês para o outro, e até mudar entre a primeira menstruação e a menopausa. 

Nesse sentido, tanto o excesso quanto a deficiência de estrogênio impactam no nosso metabolismo. Existem muitos sintomas físicos que podem indicar se os níveis hormonais estão dentro da normalidade.

Veja a seguir como a variação dos níveis de estrogênio podem influenciar no dia a dia, usando um ciclo de 28 dias como exemplo.

Infográfico sobre a variação dos níveis de estrogênio na mulher. Imagem ilustrativa texto cannabis e estrogênio
Como a variação dos níveis de estrogênio podem influenciar no dia a dia da mulher

Todas essas oscilações de estrogênio e seus sintomas colaterais podem ter como aliado o tratamento com cannabis medicinal.

Cannabis medicinal para auxiliar na TPM e na menopausa

Para as mulheres que sofrem com os sintomas da TPM e da menopausa e não sentem que os tratamentos convencionais têm funcionado, ou mesmo sejam uma opção para elas, podem ver na terapia com cannabis medicinal uma alternativa no tratamento. 

É importante lembrar que nem a TPM e nem a menopausa são doenças, mas sim processos naturais que o corpo feminino passa devido à alterações hormonais. 

Diante disso, o que a cannabis medicinal faz é reequilibrar essas variações, controlando e amenizando os sintomas como fogacho, dores, dificuldades de sono e sintomas ansiosos.

Durante a TPM

A Tensão Pré-Menstrual(TPM) faz parte da vida da maioria das mulheres, que tentam lidar com seus sintomas das mais diversas maneiras. 

O uso de medicamentos à base de ibuprofeno para lidar com as cólicas e dores de cabeça é comum, mas pode causar efeitos colaterais indesejados, como alterações no estômago. 

Deste modo, o uso de produtos à base de cannabis pode ser uma boa alternativa para passar por este momento com mais tranquilidade. 

A cólica menstrual é incômodo para a maioria das mulheres

Combate a dor e melhora o humor 

Os canabinóides CBD e THC, presentes na planta, têm efeito analgésico e anti-inflamatório, sendo eficazes no combate da dor.

O tetrahidrocanabinol, mais especificamente, também possui ação relaxante muscular que ajuda com as cólicas menstruais, ao aliviar o desconforto das contrações.

As alterações nos níveis de estrogênio durante a TPM também deixam as mulheres com o humor mais deprimido e sensível. 

Os produtos de cannabis alteram concentrações de neurotransmissores no corpo, como o hormônio do bem estar, além de estimularem o endocanabinóide a produzir anandamida, responsável pela sensação de felicidade. 

Por conta da relação entre a cannabis e o estrogênio, muitas mulheres têm optado como alternativa aos antidepressivos, analgésicos e medicações sedativas.

Além disso, alterações no apetite também podem ser desencadeadas durante o período pré menstrual. O THC já é conhecido por aumentar o apetite e o prazer em comer, mas estudos avançam que o CBD pode funcionar como um supressor do apetite. 

Sintomas da menopausa 

A menopausa é outra fase que também pode ser bem complicada para a mulher, e normalmente ocorre por volta dos 50 anos de idade, caracterizado pela interrupção dos ciclos menstruais, findando a fase reprodutiva feminina.

Um dos tratamentos para a menopausa é a terapia de reposição hormonal, no entanto, essa modalidade de tratamento pode ter contraindicações. Algumas mulheres podem não ser as candidatas ideais para realizar o tratamento, caso tenham algum histórico de câncer, por exemplo.  

Pesquisas recentes mostram que os produtos à base de cannabis podem ser um grande aliado da mulher durante a menopausa, e já conta com grande aderência do público feminino. 

Um estudo apresentado na Sociedade Norte-Americana de Menopausa descobriu que 27% das mulheres usaram, ou estão usando atualmente, cannabis para controlar os sintomas da menopausa. Outros 10% das entrevistadas disseram que possuem interesse ​​em utilizar essa modalidade de tratamento. 

O tratamento canábico envolve a administração de fitocanabinoides extraídos da planta para recuperar o equilíbrio do Sistema Endocanabinoide, melhorando os sintomas da redução do estrogênio de uma forma não hormonal segura. 

Ondas de calor

Dentre os sintomas da menopausa, as ondas de calor tendem a ser mais incômodas. Com a falta do estrogênio, alterações hipotalâmicas ocorrem (local responsável pela regulação térmica do organismo), gerando os sintomas característicos de fogacho.

O cérebro responde liberando hormônios para ajudar a diminuir o calor do corpo, causando um aumento na frequência cardíaca e no fluxo sanguíneo. Esse processo é o que faz com que o corpo transpire na tentativa de reduzir a temperatura.

A administração de canabinóides pode diminuir a produção de calor através da alteração de alguns mediadores neuroquímicos, segundo artigo publicado em 2002. Nesse sentido, pode-se afirmar que o THC tem a capacidade de reduzir e regular a temperatura corporal. 

Alterações de humor

A menopausa também pode causar alterações de humor e, pela falta de estrogênio, nessa fase as mulheres se tornam muito mais propensas a desenvolver depressão. 

Como já mencionamos, o CBD é um estabilizador de humor eficaz e também possui ação antidepressiva

Fraqueza dos ossos

Outro sintoma preocupante da menopausa é a perda de densidade óssea. O estrogênio é fundamental para o metabolismo dos ossos, portanto, com a deficiência deste hormônio a mulher se torna mais suscetível a perda de massa óssea.

De acordo com estudo publicado no The Journal of clinical endocrinology and metabolism, os nossos receptores endocanabinóides influenciam diretamente na formação dos ossos. 

Assim, o tratamento com cannabis medicinal pode ser um futuro alvo na abordagem terapêutica de pacientes com baixa massa óssea. 

Vale lembrar que embora os resultados sejam promissores, a realidade é que, como acontece com outros tópicos da cannabis, mais pesquisas são necessárias. 

Também é importante ressaltar a importância de se utilizar produtos de boa procedência e que seguem as orientações da Anvisa. 

Ficou claro a relação entre cannabis e estrogênio? Então, continue acompanhando o nosso blog e as redes sociais da Ease Labs e siga informado. 

Referências

Washington State University. “O estrogênio aumenta a sensibilidade à cannabis, mostra o estudo.” ScienceDaily. ScienceDaily, 3 de setembro de 2014. <www.sciencedaily.com/releases/2014/09/140903092153.htm>. 

Melissa N. Slavin, Stacey Farmer & Mitch Earleywine (2016) Expectancy mediated effects of marijuana on menopause sintomas, Addiction Research & Theory, 24: 4, 322-329. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/16066359.2016.1139701?journalCode=iart20& 

Ehrenkranz, J., & Levine, M. A. (2019). Bones and Joints: The Effects of Cannabinoids on the Skeleton. The Journal of clinical endocrinology and metabolism, 104(10), 4683–4694. https://doi.org/10.1210/jc.2019-00665 

Meah, F., Lundholm, M., Emanuele, N., Amjed, H., Poku, C., Agrawal, L., & Emanuele, M. A. (2021). The effects of cannabis and cannabinoids on the endocrine system. Reviews in endocrine & metabolic disorders, 10.1007/s11154-021-09682-w. Advance online publication. https://doi.org/10.1007/s11154-021-09682-w 

Wenger, T., & Moldrich, G. (2002). The role of endocannabinoids in the hypothalamic regulation of visceral function. Prostaglandins, leukotrienes, and essential fatty acids, 66(2-3), 301–307. https://doi.org/10.1054/plef.2001.0353