Importance of quality control in industry

By Gustavo de Lima Palhares, CEO of Ease Labs | Published on the portal O Tempo

With application to various psychiatric, chronic, inflammation and pain diseases, medicinal cannabis has gained traction in treatments all over the world. Given the therapeutic benefits of cannabinoids (substances with medicinal properties of the plant), the movement to meet market demand has increased. And with that, the risks too.

To guarantee access to safe and quality products, it is essential to adopt measures and follow special standards, from the cultivation process to formulation. While important, these criteria are rare in the cannabis market.

Our production currently takes place in the United States and Europe respecting strict quality and safety controls. During the plant’s cultivation stage, the use of science and technology is applied to use traceable seeds – which means that it is possible to know the origin of the material. As, for example, the strain that was used and the concentrations of the substance and with specific genetics, with a mapped photochemical profile.

In addition, there is control of contagion and cross contamination, metabolic composition of the plant defined and tracked. Both procedures help to obtain quality input. The cultivation is done without the use of pesticides or other chemicals that are not essential for plant development and protection.

To confirm that there is no contamination of any kind in the plantation, contaminant monitoring tests are carried out according to European standards, which are references in the world, analysis of the mapped phytochemical profile, including that of terpenes (substances naturally produced by vegetables) and botanical profile defined. The procedures guarantee good agricultural production practices.

Care is maintained during the extraction phase following the international GMP (good manufacturing practices or “good manufacturing practices”) certificate, rules regarding stability in accordance with the ICH (The International Council for Harmonization of Technical Requirements for Pharmaceuticals for Human Use) and ISO quality standards (International Standard Organisation).

Quality inspection continues after the extraction and completion of the product, which undergoes physical-chemical and microbiological control, product testing and chromatographic analysis.

 The standardization of cannabis-based products and the accuracy of the substances contained, guarantee the safety and quality of the products, which is essential for the population.

When it comes to health, it is essential to know the origin of any product, to avoid running risks or even problems. Especially when it comes to the well-being of people who already live daily with psychiatric and chronic illnesses.

Cannabis medicinal

Importância do controle de qualidade na indústria

Por Gustavo de Lima Palhares, CEO da Ease Labs | Publicado no Portal o Tempo

Com aplicação para diversas doenças psiquiátricas, crônicas, inflamações e dor, a cannabis medicinal tem ganhado força em tratamentos por todo o mundo. Diante dos benefícios terapêuticos dos canabinóides (substâncias com propriedades medicinais da planta), a movimentação para suprir a demanda do mercado tem aumentado. E com isso, os riscos também.

Para garantir o acesso a produtos seguros e de qualidade é essencial adotar medidas e seguir padrões especiais, desde o processo de cultivo até a formulação. Apesar de importantes, esses critérios são raros no mercado de cannabis.

Nossa produção, atualmente, acontece nos Estados Unidos e Europa respeitando controles rigorosos de qualidade e segurança. Durante a etapa de cultivo da planta, é aplicado o uso de ciência e tecnologia para utilizar sementes rastreáveis – o que significa que é possível saber a origem do material. Como, por exemplo, a cepa que foi utilizada e as concentrações da substância e com genética específica, com perfil fotoquímico mapeado.

Além disso, há o controle de contágio e de contaminação cruzada, composição metabólica da planta definida e rastreada. Ambos os procedimentos auxiliam para obtenção de insumo de qualidade. O cultivo é feito sem o uso de pesticidas ou outras substâncias químicas que não são essenciais para o desenvolvimento e proteção das plantas.

Para confirmar que não está acontecendo contaminação de qualquer natureza no plantio, são realizados testes de monitoramento de contaminantes conforme padrões europeus, que são referências no mundo, análise do perfil fitoquímico mapeado, incluindo o de terpenos (substâncias produzidas naturalmente por vegetais) e perfil botânico definido. Os procedimentos garantem boas práticas de produção agrícola.

Os cuidados são mantidos durante a fase de extração que seguem o certificado internacional GMP (good manufacture practices  ou “boas práticas de fabricação”), regras relativas à estabilidade em conformidade com o ICH (The International Council for Harmonisation of Technical Requirements for Pharmaceuticals for Human Use) e normas de qualidade ISO (International Standard Organisation).

A inspeção de qualidade continua após a extração e na finalização do produto, que passa por controle físico-químico, microbiológico, teste dos produtos e análise cromatográfica.

A padronização dos produtos à base de cannabis e a exatidão das substâncias contidas, garantem a segurança e qualidade dos produtos, o que é essencial para a população.

Quando o assunto é saúde é essencial saber a procedência de qualquer produto, para evitar correr riscos ou mesmo problemas. Especialmente quando se fala no bem-estar de pessoas que já convivem diariamente com doenças psiquiátricas e crônicas.