Tudo sobre os efeitos da Cannabis no tratamento da epilepsia

Tudo sobre os efeitos da Cannabis no tratamento da epilepsia

Postado por Dr. Pedro Alvarenga

O uso medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia vem sendo difundido cada vez mais no Brasil e no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas receberam o diagnóstico da patologia. 

A terapia utilizando os canabinoides tem sido eficaz no combate aos sintomas gerados pela patologia, além de ser uma opção para aqueles pacientes cujo organismo apresenta resistência aos anticonvulsivantes convencionais.  

Estudos que comprovam a ação das substâncias presentes na Cannabis são realizados no país desde 1980 e, atualmente, a epilepsia é um dos campos com mais pesquisas sólidas. Para entender como a Cannabis pode ajudar no tratamento da epilepsia, continue a leitura. 

Ação medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia

epilepsia  é  uma  patologia  neurológica  caracterizada  por  uma  disfunção  cerebral  com  consequentes  crises  epilépticas.

Elas ocorrem  quando  há  manifestação de  sintomas  devido à atividade neuronal anormal, excessiva ou sincrônica no cérebro, causando uma ‘pane no sistema’.

O  tratamento  e  abordagem para esta patologia torna-se ainda mais desafiador diante da demanda de cuidados multi e interdisciplinares, bem como a terapia medicamentosa, que são pilares fundamentais no controle e acompanhamento desses pacientes. 

Atualmente, existem mais de 20 fármacos para tratamento da epilepsia, porém, apesar de um número considerável de medicamentos com diferentes mecanismos de ação, o controle do paciente da patologia permanece irregular, principalmente nas síndromes refratárias.

Diante disso, a terapia canábica vem se destacando como uma terapêutica alternativa e eficaz, principalmente em  pacientes  com  epilepsia  de  difícil  controle.

Trazendo assim, uma oportunidade de controle adequado, reduzindo a mortalidade e melhorando a  qualidade de vida dos pacientes e seus familiares.

O que dizem os principais estudos?

A ação da Cannabis no tratamento da epilepsia acontece por meio do Sistema Endocanabinóide que compreende um complexo de ligantes e receptores (CB1 e CB2) e, por sua vez, exerce funções reguladoras no funcionamento neuronal.

Os receptores CB1 e CB2, distribuídos amplamente pelo corpo humano, e os canabinoides, também produzidos de  forma  endógena  (anandamida  e  2-araquidonilglicerol),  estão  relacionados  a  vias  GABA  e  glutamatérgicas.

Elas são  conhecidas por estarem envolvidas na regulação excitatória e susceptibilidade a convulsões, o que pode explicar as propriedades anticonvulsivantes das substâncias da Cannabis.

A planta possui cerca de 120 canabinoides, sendo o canabidiol (CDB) e o tetrahidrocanabinol (THC) os mais estudados e conhecidos. No geral, possuem ação anti-inflamatória, podendo diminuir as neuro inflamações causadas pelas crises epilépticas, além dos efeitos neuroprotetores e ansiolíticos. 

Em  um  ensaio  clínico  randomizado,  duplo-cego,  mostrou-se  melhora  significativa  no  controle  de  crises  convulsivas  em  pacientes  com síndrome de Lennox-gastaut. Cerca  de  225  pacientes  foram  incluídos  na  pesquisa,  com  três  braços  distintos,  sendo  um  deles tratado com placebo. 

Após 28 dias de follow-up, nos grupos com uso dos canabinoides houve redução de  cerca  de  40%  na  frequência  de  crises  convulsivas,  quando  comparado  a  17%  do  grupo placebo.

Da mesma maneira, com pacientes portadores da Síndrome de Dravet, transtorno infantil complexo que está associado a convulsões resistentes à terapia medicamentosa, estudos evidenciaram melhora significativa no controle das crises convulsivas. 

Também com desenho duplo-cego controlado por placebo, Devinsky e colaboradores mostraram que  a  frequência  média  de  crises  convulsivas  por  mês  diminuiu  de  12,4  para  5,9  com  canabidiol, em comparação com uma diminuição de 14,9 para 14,1 com placebo.

Resultados clínicos

Médico segurando um frasco de óleo de CBD. Imagem ilustrativa texto Cannabis no tratamento da epilepsia
O uso medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia deve ser analisado e prescrito por um médico especialista.

Com isso, entende-se que o CBD é capaz de auxiliar no tratamento da epilepsia atuando nos receptores CB1, reprimindo as neurotransmissões causando uma redução geral da atividade dos neurônios excitadores.

Ele também estimula os neurônios inibitórios, como mais uma forma de reequilibrar a atividade neural. 

Além disso, por meio da interação com os receptores GABA, que são responsáveis por reduzir a atividade cerebral em momentos de estresse, o CBD gera um efeito calmante no corpo, contribuindo para a qualidade de vida do paciente. 

O canabidiol também é capaz de regular os receptores vanilóides TRPV1 no cérebro, que quando são super ativados geram crises epilépticas, diminuindo as crises. 

Por fim, podemos notar que, dada a gama de distúrbios envolvidos com crises convulsivas, a possibilidade de novos tratamentos para esses distúrbios é extremamente valiosa. 

Menos crises, mais qualidade de vida

A epilepsia não costuma afetar a rotina quando as crises estão controladas por medicamentos. No entanto, para as pessoas que apresentam resistência aos anticonvulsivantes e crises frequentes, a qualidade de vida é diretamente comprometida. 

Afinal, a patologia pode causar consequências neurológicas, cognitivas, psicológicas e sociais ao paciente, a depender da frequência e duração das crises. Estima-se que até 70% das pessoas com epilepsia não recebem diagnóstico e tratamento adequados. 

Assim, o uso medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia se destaca mais uma vez. Além do controle das crises, as substâncias da planta propiciam os seguintes benefícios:

  • Sono reparador;
  • melhora da alimentação;
  • desenvolvimento comportamental; 
  • diminuição as dores;
  • controle da ansiedade e estresse; e
  • melhora da saúde mental do paciente como um todo. 

Além disso, quando as crises epilépticas são constantes durante a infância e adolescência, o desenvolvimento do sistema nervoso é afetado. 

Uma pesquisa online realizada com pais de crianças que possuem epilepsia, publicado no Epilepsy and Behavior, revela que o uso de produtos à base de Cannabis medicinal com alto teor de CBD resultou na redução da frequência das crises epilépticas em 85% das crianças e 14% delas pararam de ter crises. 

Outro estudo publicado em 2018, no Cureus, avaliou seis pesquisas sobre a substância como tratamento para epilepsia e concluiu que os estudos recentes realizados com mais de 100 participantes, foram capazes de comprovar a eficácia do canabidiol em reduzir a regularidade das crises epilépticas. 

Baixos efeitos adversos

Mais um destaque dos produtos à base de Cannabis em relação aos tratamentos e medicações convencionais para epilepsia é a baixa incidência dos efeitos adversos: não sobrecarregam o fígado, não provoca irritabilidade e nem oscilações de humor, por exemplo. 

Por sua vez, foram relatados efeitos como fadiga, sonolência, diarreia, perda ou ganho do peso e redução ou aumento do apetite. 

É válido destacar que o uso medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia deve ser usado em uma abordagem multidisciplinar para que o paciente tenha melhor proveito. 

Lembrando que é imprescindível o acompanhamento médico para dar início ao tratamento com canabinoides. Ele será responsável por indicar qual o produto ideal e a dosagem, de acordo com as necessidades individuais de cada paciente. 

O que são as crises epilépticas?

As crises epilépticas são sintomas decorrentes de descargas cerebrais anormais, que podem se caracterizar como convulsivas ou não. 

O grau destas crises está relacionado às áreas do cérebro afetadas, podendo gerar as crises epilépticas totais, quando a desorganização dos sinais elétricos acontece nos dois hemisférios do cérebro, e as crises epilépticas parciais em que a desorganização acomete apenas um dos hemisférios cerebrais. 

No caso, os episódios de convulsão acontecem quando a pane afeta ambos os lados do cérebro, fazendo com que a pessoa caia, todos os músculos do corpo se contraem, causando salivação e espuma pela boca, além da respiração ofegante.

Por mais que as crises convulsivas possam parecer desesperadoras, é importante auxiliar a pessoa naquele momento. O indicado é deitar a pessoa de lado, para que a saliva não vá ao pulmão, e evitar que ela bata a cabeça devido aos movimentos corporais involuntários, sem limitá-los. 

Já a manifestação das crises focais, quando apenas uma região específica do cérebro tem atividades excessivas, os sintomas vão depender de qual área entrou em curto.

Ou seja, se for relacionada ao olfato, a pessoa pode sentir cheiros desagradáveis; se for relacionada à visão, ela pode ver pontos escuros ou flashes coloridos, por exemplo. 

Diagnóstico e tratamento

Imagem em 3D de um corpo humano com vertebras e cérebro. Imagem ilustrativa texto cannabis no tratamento da epilepsia
As crises epilépticas são decorrentes de alguns fatores importantes do nosso cérebro

Diante a manifestação das crises, é de extrema importância encontrar o tratamento mais adequado para conter as crises.

As crises epilépticas costumam durar cerca de um a cinco minutos, e o paciente pode manter uma qualidade de vida ao controlar as crises em si e seus gatilhos. 

O diagnóstico de epilepsia é realizado caso o paciente tenha crises espontâneas e frequentes, com um período de no mínimo 24 horas entre uma e outra, além de exames complementares e análise clínica do histórico de saúde. 

Ao longo do texto, você percebeu que o avanço do conhecimento científico sobre o uso medicinal da Cannabis no tratamento da epilepsia demonstra que essa nova abordagem terapêutica pode contribuir de forma significativa para o controle da doença e proporcionar mais qualidade de vida aos pacientes. 

Quer ficar por dentro desse e outros assuntos sobre a Cannabis medicinal? Continue acompanhando o nosso blog e redes sociais, e mantenha-se informado. 

Referências

Cristiane Ribeiro de Carvalhoa*, Alexandre Ademar Hoellerb, Pedro Leite Costa Francoc, Ingrid Eidtc,Roger Walz. Canabinoides e Epilepsia: potencial terapêutico do canabidiol. Disponível em: https://periodicos.furg.br/vittalle/article/view/6292/4740 

Shaun A. Hussain, Raymond Zhou, Catherine Jacobson, Julius Weng, Emily Cheng, Johnson Lay, Phoebe Hung, Jason T. Lerner, Raman Sankar. Perceived efficacy of cannabidiol-enriched cannabis extracts for treatment of pediatric epilepsy: A potential role for infantile spasms and Lennox–Gastaut syndrome (2015). Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.yebeh.2015.04.009 

Orrin Devinsky, M.D., J. Helen Cross, Ph.D., F.R.C.P.C.H., Linda Laux, M.D., Eric Marsh, M.D., Ian Miller, M.D., Rima Nabbout, M.D., Ingrid E. Scheffer, M.B., B.S., Ph.D., Elizabeth A. Thiele, M.D., Ph.D., and Stephen Wright, M.D. for the Cannabidiol in Dravet Syndrome Study Group. Trial of Cannabidiol for Drug-Resistant Seizures in the Dravet Syndrome. Disponível em: https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/nejmoa1611618 

Salgado, Priscila Camile Barioni e Souza, Elisabete Abib Pedroso de Qualidade de vida em epilepsia e percepção de controle de crises. Arquivos de Neuro-Psiquiatria [online]. 2001, v. 59, n. 3A, pp. 537-540. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0004-282X2001000400010>. Epub 03 Out 2001. ISSN 1678-4227. https://doi.org/10.1590/S0004-282X2001000400010

Epilepsy and Cannabis: A Literature Review Sidra Zaheer, Deepak Kumar, Muhammad T Khan, Pirthvi Raj Giyanwani, FNU Kiran Cureus. 2018 Sep; 10(9): e3278. Published online 2018 Sep 10. doi: 10.7759/cureus.3278

Wallace, M.J., Martin, B.R., and DeLorenzo, R.J. (2002). Evidence for a physiological role of endocannabinoids in the modulation of seizure threshold and severity. European Journal of Pharmacology, 452(3), 295-301. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0014299902023312.

Devinsky, O., Patel, A. D., Cross, J. H., Villanueva, V., Wirrell, E. C., Privitera, M., Greenwood, S. M., Roberts, C., Checketts, D., VanLandingham, K. E., Zuberi, S. M., & GWPCARE3 Study Group (2018). Effect of Cannabidiol on Drop Seizures in the Lennox-Gastaut Syndrome. The New England journal of medicine, 378(20), 1888–1897. https://doi.org/10.1056/NEJMoa1714631