É impossível fazer o uso de algum medicamento a base de cannabis sem entender bem o que são os canabinóides. Você com certeza já ouviu falar do THC e do CBD, certo? Pois então, eles são dois dos canabinóides mais famosos e que estão presentes na folha da maconha. 

Contudo, já existem mais de 100 compostos identificados, cada um com sua característica e eficácia. Portanto, o objetivo deste texto é criar um guia com todas as informações sobre os canabinóides. 

Como eles funcionam? Onde podemos encontrá-los? Quais são os possíveis tratamentos? É só seguir a leitura e ficar por dentro de tudo sobre canabinóides. 

O que são os canabinóides?

Os canabinóides são compostos químicos que ligam-se aos receptores (CB1 e CB2), e ativam proteínas que permitem a interação das substâncias no metabolismo celular.

Já foram identificados mais de 100 substâncias, que são responsáveis pelos diferentes efeitos que a Cannabis tem no organismo. Os mais famosos são, como já dissemos, o THC e o CBD (ou tetrahidrocanabinol e canabidiol).

Estes dois compostos são produzidos pela planta Cannabis Sativa, portanto, são classificados como fitocanabinóides. Contudo, as plantas não são as únicas a produzir este composto. Os mamíferos também produzem essas substâncias, que são classificadas como endocanabinóides. Alguns exemplos de endocanabinóides são a Anandamida e o 2-AG.

Eles são produzidos normalmente pelo nosso corpo como parte do sistema endocanabinóide.

10 tipos mais comuns de canabinóides

1. Canabidiol (CBD)

Mais abundante canabinóide encontrado na Cannabis, tem sido bastante procurado por suas propriedades medicinais. O CBD é bastante procurado pois apresenta efeito ansiolítico, imunossupressor, anti-inflamatório, neuro protetor, antiemético, sedante, anticonvulsivo, entre vários outros.

2. Delta-9-Tetrahydrocannabinol (Δ9-THC)

Responsável pelo efeito euforizante do uso da cannabis, o THC também é bastante abundante na planta. Entre suas propriedades medicinais estão ações ansiolíticas, anti-inflamatórias, imunossupressoras, antivirais, hipotensoras, neuroprotetoras, entre outras.  

3. Canabicromeno (CBC)

Terceiro mais abundante na planta, esse composto ainda é bastante ignorado, mesmo tendo apresentado boas respostas terapêuticas, entre elas efeitos fungicidas e bactericidas. Além disso, o CBC também apresenta função sedativa e anti-inflamatória. 

4. Canabinol (CBN)

Obtido por meio da planta desidratada. Estudos indicam que ele pode ser usado como estimulador de apetite e na diminuição da pressão ocular, e no tratamento de inflamações. 

5. Cannabigerol (CBG)

Funciona como suporte para o desenvolvimento de outros canabinóides. Pouco presente na Cannabis, estudos ainda incipientes apontam para o uso no tratamento de glaucomas e na estimulação do crescimento ósseo, além de efeitos anti-inflamatórios, anti-convulsivos e  sedativos.

6. Tetrahidrocanabivarina (THCV)

Composto muito parecido com o THC, o que gera dúvidas nos cientistas sobre sua psicoatividade. Alguns dizem que que ele tem 25% menos da potência do THC, enquanto outros dizem que ele pode diminuir a atividade psicoativa, quando usado em doses baixas.  Esse canabinóide pode ser usado no combate a obesidade, por sua capacidade de inibir o apetite.

7. Canabidivarina (CBDV)

Essa é uma variação do CBD, em uma forma mais degradada. Ele é encontrado em plantas com alto índice de CBD e pouco THC.

8. Delta-8-Tetrahydrocannabinol (Δ8-THC)

Parente próximo do THC que conhecemos, alguns estudos apontam que ele tem um efeito levemente euforizante. Pesquisas apontam também que ele pode ser eficaz na memória e aprendizado. 

9. Ácido canabidiólico (CBDA)

Esse composto é encontrado apenas na Cannabis in Natura. substância não pisicoativa, ele tem propriedades analgécicas e anti-inflamatórias. Alguns estudos apontam que o CBDA pode inibir o crescimento de células cancerigenas. 

10. Ácido tetrahidrocanabinólico (THCA)

Também encontrado apenas na planta in Natura, o THCA possui poucos estudos sobre os seus benefícios. O principal deles liga o composto a propriedades  anti-inflamatórias e neuroprotetoras — o que pode indicar o uso para doenças como parkinson e Alzheimer. 

Como os canabinóides atuam no organismo

Nós já explicamos um pouco sobre este funcionamento quando falamos do uso do canabidiol para à ansiedade e depressão. O nosso cérebro é formado por vários neurônios que são responsáveis por receber e transmitir mensagens, os neurotransmissores. 

Contudo, esta comunicação é feita apenas com os neurotransmissores que são compatíveis. Nesse sentido, a ação do canabinóide é estimular estes receptores compatíveis e facilitar a interação. 

Entendendo os receptores canabinóides

Eles se encontram por todo o corpo, ou seja, o sistema endocanabinóide envolve-se na regulação de vários processos do organismo. 

CB1

É mais comum de ser encontrado no sistema nervoso central. Eles estão ligados ao estresse, ansiedade, apetite, náusea, humor, sono, memória, entre outras. Eles são responsáveis também pelo processo psicoativo, quando ligados ao THC. 

CB2

São encontrados, em maior parte, no sistema imunológico. Sendo assim, estão associados a imunomodulação e ao controle de inflamações.

Sistema Endocanabinóide

Canabinóides para fins medicinais

Por estarem ligados a importantes sistemas do organismo, existem vários estudos que ligam o uso destes compostos ao tratamento de algumas doenças. Veja abaixo uma lista das principais. 

  • Parkinson
  • Câncer
  • Epilepsia
  • Alzheimer
  • Dores crônicas
  • Esclerose múltipla
  • Epilepsia
  • Ansiedade e Depressão
  • Esquizofrenia

Nós temos,aqui no blog, um texto que trata especificamente do uso medicinal da cannabis. Vale a pena a leitura. 

Canabinóides e seus efeitos

Como está diretamente ligado ao organismo, os efeitos destas substâncias são diferentes em cada pessoa. Mas, além dos fatores genéticos, fatores comportamentais como, sedentarismo, por exemplo, também influenciam. 

Além disso, a quantidade e o tempo de uso das substâncias também estão entre os fatores que fazem com que os efeitos sejam diferentes nos indivíduos. Entre os efeitos mais comuns estão sonolência e as alterações do apetite e no paladar. 

Medicamentos com canabinóides

Os estudos para o uso medicinal dos canabinóides ainda são novos, contudo já existem muitos avanços. Os principais medicamentos são a base de óleo de CBD e já existem muitos apontamentos para efeitos satisfatórios no tratamento com estas substâncias. 

Porém, é necessário ficar atento à procedência destes medicamentos, com relação a composição e dosagem. Hoje a importação desta substância está bastante prática, portanto, comprar de uma empresa séria e com o acompanhamento de um médico é fundamental para a eficácia do tratamento

Canabinóides onde comprar

A partir da RDC 17/2015 e da RDC 335/2020, a importação de produtos a base de canabidiol foi autorizada no Brasil. Agora, o processo ficou bem menos burocrático e o medicamento chega até à casa do paciente sem muitas complicações.

Contudo, antes da prescrição, é necessário fazer uma pesquisa sobre os melhores fornecedores e a qualidade do produto que está sendo oferecido ao paciente. 

A EASE LABS, por exemplo, é uma empresa multinacional referência neste tipo de importação e tem parceiros que ajudam  nesta mediação, com o objetivo de facilitar o processo para o paciente

Conclusão

O uso dos canabinóides, principalmente o canabidiol, têm se mostrado importante para o tratamento de várias doenças. A forma como ele interage com o organismo e os poucos efeitos colaterais têm feito com que cada vez mais médicos utilizem esta alternativa. 

Quer saber mais sobre como importar os produtos a base de canabidiol? Entre em contato com a gente, teremos o maior prazer em te ajudar.