O site International Policy Digest mostra uma visão sobre o futuro da indústria de cannabis medicinal pelo mundo e seu grande potencial de crescimento.

A legalização do uso de cannabis é um assunto complexo, e diversos países aceitam seu uso em níveis diferentes. O CBD pode ser usado com diferentes objetivos, como em pacientes com dores, depressão, condições neurológicas e problemas psiquiátricos. Entretanto, segundo uma pesquisa divulgada pela Harvard Medical School, um dos fatores mais atraentes do CBD é que seu uso é mais seguro que o de opiáceos – não provoca overdose e é menos viciante.

Gustavo Lima de Palhares, CEO da Esse Labs, explicou que existem várias pesquisas promissoras sendo conduzidas na área oncológica. Segundo estudos, foram descobertas evidências de que o uso de cannabis alivia os efeitos em pacientes oncológicos, como náuseas, dores e falta de apetite. Além disso, estudos in-vitro sugerem que o CDB inibe o crescimento de células cancerígenas.

Muitos países já legalizaram ou estão em processo de legalizar a cannabis e seus derivados. No caso do Brasil, o presidente Jair Bolsonaro declarou em entrevistas que reconhece a necessidade de dar acesso ao uso de cannabis medicinal para pacientes, mas também demonstrou preocupação com o uso recreativo. O Brasil já permite a importação de CBD por razões médicas, e a Anvisa está analisando a possibilidade de permitir a produção interna.

Para entender mais sobre o futuro da indústria de cannabis medicinal, veja a reportagem completa em: https://intpolicydigest.org/2019/09/06/the-future-of-the-medicinal-cannabis-industry-a-view-from-the-western-hemisphere/