Tratamento para asma: como a cannabis medicinal pode ajudar?

Tratamento para asma: como a cannabis medicinal pode ajudar?

Postado por Dr. Pedro Alvarenga

O tratamento para asma, doença pulmonar que consiste na inflamação dos canais que levam ar aos pulmões, resume-se apenas ao controle dos sintomas.

Isso porque, mesmo afetando tantas pessoas, ainda não existe cura. Embora seja possível se adaptar e conviver com os sintomas. 

No Brasil, o número de pessoas com asma representa 13% da população e, segundo dados do Datasus, é a terceira ou quarta maior causa de internações pelo SUS no país. 

Diante disso, a Cannabis medicinal surge como uma possibilidade para auxiliar no tratamento dos pacientes com asma que buscam uma alternativa natural e efetiva. 

Quer entender mais? Continue a leitura para saber como os produtos à base de Cannabis podem ajudar no tratamento para asma. 

Antes do melhor tratamento para asma, entenda sua respiração

A respiração é algo tão natural que, muitas vezes, não nos atentamos à sua importância. Afinal, a maneira como respiramos pode beneficiar a digestão, a qualidade do sono, reduzir os níveis de estresse, a pressão arterial e ainda melhorar a resposta imunológica do seu corpo, proporcionando bem-estar geral.

O processo respiratório é responsável por levar oxigênio ao sangue na inspiração (quando puxamos o ar), e eliminar o gás carbônico durante a expiração (quando soltamos o ar). 

Quando inspiramos, o diafragma e os músculos intercostais (localizados entre as costelas) contraem-se, provocando o aumento da caixa torácica e a entrada do ar no corpo. O ar vai do nariz até a traquéia que, em seguida, se divide em dois canais: os brônquios, que desembocam um em cada pulmão. 

Os brônquios, por sua vez, se subdividem em canais progressivamente menores, chamados bronquíolos, e cada um destes possui um alvéolo.

É nos alvéolos pulmonares que a troca de gases acontece com o sangue absorvendo o oxigênio e eliminando o gás carbônico no ar que irá percorrer o caminho inverso na expiração. Este processo é conhecido como hematose. 

Além da respiração, vale ressaltar que, quando o ar entra e sai do nosso corpo, também possibilita que nós sejamos capazes de falar e emitir sons. 

Imagem ilustrativa sobre os movimentos respiratórios de inspiração e expiração no corpo humano. Texto tratamento para asma
Os movimentos respiratórios garantem a entrada e saída de ar.

Como a asma afeta o organismo? 

A asma, também chamada de bronquite asmática, é uma doença que afeta as vias respiratórias por meio de um processo inflamatório.

Isso faz com que ocorra o estreitamento dos brônquios, causando uma contração da musculatura da região, os chamados broncoespasmos, além de aumentar a produção de muco nesta região. 

Esses dois fatores, então, reduzem a passagem de ar, dificultando e comprometendo a respiração do paciente. Esta obstrução dos brônquios ocorre principalmente na expiração, o que faz com que parte do ar inspirado fique preso nos pulmões, causando a sensação de sufocamento.

A asma pode acometer pessoas de qualquer idade, sendo as mais afetadas as crianças, de forma constante ou surgir por meio de crises isoladas que dependem de gatilhos para serem desencadeados. No geral, os estímulos mais comuns para uma crise de asma incluem: 

  • Infecções respiratórias;
  • exposição à alérgenos (poeira, mofo, animais de estimação etc);
  • irritantes inalatórios;
  • temperatura e umidade; 
  • esforço físico; 
  • fortes odores (perfumes, por exemplo);
  • variações hormonais durante o fluxo menstrual e a gravidez;
  • medicações; e
  • fatores emocionais. 

Embora seja uma doença considerada crônica, não necessariamente haverá sintomas ou crises todos os dias, possibilitando ao paciente conviver sem limitações com o tratamento para asma.

Desenho com a comparação dos canais respiratórios entre um pulmão saudável e um pulmão asmático, com brônquios inflamados e excesso de muco. Imagem ilustrativa texto tratamento para asma.
Comparação das vias respiratórias entre um pulmão saudável e pulmão asmático.

Crises de Asma 

As crises de asma acontecem quando os efeitos da doença são agravados por um período de tempo, geralmente desencadeado por um gatilho, e podem durar de segundos até dias. 

Conforme as vias áreas inferiores se inflamam e a passagem de ar se estreita, o paciente tem que fazer um esforço maior para conseguir respirar e fornecer o oxigênio que o organismo precisa. Os sintomas mais comuns de uma crise asmática são: 

  • Tosse crônica; 
  • falta de ar;
  • tosse seca;
  • chiado;
  • sensação de aperto no peito; e
  • ansiedade. 

Durante a crise, o paciente fica com a respiração extremamente curta e pesada, podendo chegar ao ponto de impedi-lo de falar.

Para os casos mais severos da doença, as crises podem ser letais se não forem tratadas corretamente e a tempo, necessitando de atendimentos de emergência e até mesmo internação. 

No geral, a asma pode ser classificada tanto de acordo com seus níveis de gravidade (asma leve; de difícil controle; e grave) quanto pelo seu controle (controlada; parcialmente controlada; não controlada). 

Entenda: 

  • Controlada: crises ocasionais, que não prejudica atividades cotidianas e não necessita do uso de medicação de alívio;
  • Parcialmente controlada: sintomas são presentes, mas não tão frequentes, afetando levemente as atividades e com uso de medicação; 
  • Não controlada: crises frequentes que prejudicam excessivamente as atividades cotidianas. 

Como aliviar uma crise de asma? 

Para aliviar uma crise de asma, é importante que a pessoa mantenha a calma, sente-se em uma posição confortável e com a coluna ereta, respire lentamente e use o inalador para dilatar os brônquios. Caso os sintomas não melhorem, é preciso levá-la ao hospital. 

Por isso, para quem sofre com crise asmática, é fundamental determinar um plano de ação junto com o médico, que inclua medidas que devem ser tomadas no momento em que a crise for iniciada. 

Além disso, tenha sempre à mão os números de telefones de emergência e contato de familiares e amigos, caso a crise aconteça em locais desconhecidos e seja necessário ajuda. 

Após o diagnóstico, qual o melhor tratamento para asma?

O diagnóstico de asma é realizado, inicialmente, por meio de uma consulta em que o médico questiona o paciente sobre os sintomas, como a falta de ar e o chiado do paciente, assim como o horário em que os sintomas ocorrem. 

Geralmente, os asmáticos costumam sentir mais dificuldade para respirar durante a madrugada e ao acordar. 

O exame para comprovar se um paciente possui asma é chamado de espirometria, ou prova de respiração, em que ele deve soprar em um equipamento que irá analisar a quantidade de ar que sair dos pulmões. 

Embora não haja cura para a doença, o tratamento adequado pode controlar os sintomas, evitar crises e melhorar a qualidade de vida do paciente. 

A partir do diagnóstico confirmado, podem ser indicados os principais tipos de tratamento para asma. São eles: 

Medicamentos de alívio ou manutenção

Menino de camiseta branca desfocado ao fundo com inalador de asma nas mãos. Imagem ilustrativa texto tratamento para asma
As bombinhas de ar possuem ação rápida que atuam no alívio dos sintomas no tratamento para asma.

São medicamentos de ação rápida que atuam no alívio dos sintomas e na reversão da broncoconstrição, além de serem usados para manter os sintomas controlados e evitar o surgimento das crises, em um tratamento a longo prazo. 

No geral, são broncodilatadores que devem ser usados em momentos de crises, que agem no relaxamento dos músculos da parede brônquica; e corticoides para reduzir o efeito inflamatório na região. 

Podem ser usados em forma inalatória (as conhecidas bombinhas), ou em comprimido com substâncias que impedem o efeito desencadeador da asma (inibidores ou antagonistas dos leucotrienos).

Tratamento não medicamentoso

Para além dos medicamentos, o paciente também pode tratar a asma com mudanças no estilo de vida. Afinal, é importante evitar situações que possam causar crises no dia a dia. 

Com isso, o tratamento não medicamentoso consiste na orientação do paciente sobre identificar os sinais de alerta e treinamento da técnica inalatória.

Assim como destacar medidas que podem ajudar a manter a saúde do sistema respiratório, ou remover e/ou evitar elementos que juntem poeira (tapetes, cortinas, etc) e manter a limpeza do ambiente a sua volta.  

Tratamentos alternativos para asma

Existem outras possibilidades de tratamento para asma, mas que não substituem o método convencional, sendo uma opção complementar.

Por isso, é importante alinhar com o médico responsável qual a melhor alternativa para que você possa complementar seu tratamento e controlar ainda mais a sua asma. 

Entre as opções estão: fisioterapia pulmonar, yoga, natação, acupuntura, imunoterapia e até mesmo o uso de produtos à base de Cannabis. 

Asma e a Cannabis medicinal

Pulmão detalhado e projetado na frente de um médico. Imagem ilustrativa texto tratamento para asma.
Produtos à base de Cannabis pode ser uma boa alternativa para complementar o tratamento da asma.

Os produtos à base de Cannabis estão entre as alternativas de tratamento para asma que podem ser usadas tanto por pacientes com quadros mais leves, mas sobretudo por aqueles que têm uma condição mais grave e buscam reduzir a dose de seus medicamentos convencionais.

Com o uso medicinal da Cannabis, um paciente asmático tende a ter um dia a dia mais tranquilo e crises mais leves como tosse, falta de ar, cansaço, entre outros. 

Evidências científicas demonstram que as propriedades da planta desempenham um papel significativo na melhora de infecções respiratórias virais.

Alguns estudos mostraram, inclusive, que os canabinoides podem ter um efeito similar a alguns remédios para tratar asma.

A ação dos produtos à base de Cannabis se dá por meio do Sistema Endocanabinóide (SEC), que está presente em todo o corpo, inclusive nas vias aéreas e nos pulmões, por meio dos receptores canabinoides presentes no organismo, especificamente o CB2. 

Além disso, a Cannabis medicinal também é capaz de estimular o sistema imunológico, proporcionando ainda uma melhora na qualidade do sono e alívio das dores. A seguir, entenda como a substâncias da Cannabis podem ser usadas no tratamento para asma. 

O que diz a ciência? 

Os canabinoides presentes na Cannabis sativa são conhecidos, principalmente, por seu efeito anti-inflamatório. Como a inflamação dos brônquios é o que causa o estreitamento do canal e os sintomas da asma, o canabidiol pode ajudar a reduzir a inflamação das vias aéreas. 

Um dos estudos mais importantes sobre o uso do CBD no tratamento para asma, publicado no European Journal of Pharmacology, aponta a relação do canabidiol para promover a redução da inflamação dos brônquios, com resultados satisfatórios. 

Outras pesquisas mostram que o CBD age em diversas citocinas, mensageiros inflamatórios, que são ativados pela asma.

O canabidiol é capaz de reduzir a ação de duas citocinas que são responsáveis por grande parte dos sintomas: a TNF-a, que está fortemente ligada aos sintomas graves da asma; e a IL-13, que é responsável pelo aumento de muco nos brônquios.

Uma revisão feita por pesquisadores na Itália analisou o envolvimento dos canabinoides no processo inflamatório.

Resultados apontaram que a ativação de receptores CB2 nos mastócitos tem efeito anti-inflamatório direto, causando diminuição da liberação de mediadores pró-inflamatórios por essas células. 

Também concluíram que a ativação de receptores CB1 nas terminações nervosas brônquicas tem efeitos broncodilatadores por atuarem no músculo das vias aéreas e, por isso, pode ser benéfica na hiper-reatividade das vias aéreas e na asma.

Por conta dos broncoespasmos, quem tem asma também sofre com dores no peito e esse é outro sintoma que os canabinoides podem ajudar, pois o Sistema Endocanabinoide regula diversas funções do organismo, incluindo a sensação de dor. 

Além disso, os produtos de Cannabis podem colaborar com a ansiedade gerada pela asma, principalmente para os indivíduos hiperreativos a diversas substâncias.

Com isso, o efeito ansiolítico do canabidiol pode ser um grande aliado, visto que o SEC tem uma potente ação sobre o eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. 

Como iniciar o tratamento para asma com Cannabis medicinal

Passo a passo para solicitar a importação dos produtos de Cannabis.

Você já entendeu como a Cannabis medicinal pode ser uma terapia auxiliar e natural no tratamento para asma, funcionando em conjunto com a medicação convencional recomendada pelo médico. 

Caso você tenha interesse em aderir a terapia canabinoide, é preciso consultar um prescritor que será responsável pela indicação do produto e dosagem ideal, de acordo com as suas necessidades individuais. 

Após a consulta médica e com a prescrição em mãos, todo produto à base de Cannabis deve passar pelo processo de solicitação de importação diante à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), sendo esse ainda o principal caminho no Brasil. 

Autorizado pelos órgãos competentes, é preciso solicitar à importadora a compra do produto, que será entregue diretamente na caso do paciente, após liberação alfandegária. 

Vale destacar que o óleo de CBD é seguro e indicado para todos os públicos, uma vez que possuem baixos efeitos adversos. 

Apesar disso, é importante verificar que os produtos tenham certificação e qualidade farmacêutica garantidas, a fim de assegurar uma resposta terapêutica ainda mais favorável. 

É possível amenizar as crises de asma?

Sim, é possível amenizar as crises de asma com ações preventivas no dia a dia. Principalmente evitando os gatilhos que incluem poeira, alergias, cheiros fortes e fumaças. Resfriado, gripe ou sinusite também podem intensificar os sintomas, propiciando as crises. 

Segundo o Instituto de Asma da Grã-Bretanha, nem metade dos portadores da doença reconhecem a gravidade da doença e, de acordo com a pesquisa, 75% das internações de emergência poderiam ser evitadas com atitudes cotidianas. Entre elas:

  • a prática de exercícios físicos;
  • alimentação saudável rica em antioxidantes e ômega-3 (detectados principalmente em peixes, verduras e legumes) e fibras;
  • não fumar; 
  • evitar ambientes sujos, empoeirados e cheios de ácaros; e
  • prevenir infecções virais e manter cuidados com animais de estimação. 

Por fim, a recomendação de especialistas é que pacientes asmáticos estejam sempre com a bombinha de ar por perto, para que possa ser usada em momentos de crise ou emergência. 

Neste artigo, você entendeu como a Cannabis medicinal pode auxiliar no tratamento para asma. Para saber mais, acompanhe o nosso blog e redes sociais para se manter atualizado sobre o assunto.

Referências

Burstein, S. (2015). Cannabidiol (CBD) and its analogs: a review of their effects on inflammation. Bioorganic & medicinal chemistry, 23 (7), 1377-1385.

Hegde, V. L.; Nagarkatti, P. S.; e Nagarkatti, M. (2011). Role of myeloid-derived suppressor cells in amelioration of experimental autoimmune hepatitis following activation of TRPV1 receptors by cannabidiol. PloS one, 6 (4), e18281.

Vuolo, F.; Petronilho, F.; Sonai, B.; Ritter, C.; Hallak, J. E.; Zuardi, A. W.; … e Dal-Pizzol, F. (2015). Evaluation of serum cytokines levels and the role of cannabidiol treatment in animal model of asthma. Mediators of inflammation, 2015.

Grassin-Delyle, S., Naline, E., Buenestado, A., Faisy, C., Alvarez, J.-C., Salvator, H., Abrial, C., Advenier, C., Zemoura, L. e Devillier, P. (2014), Canabinóides e brônquios humanos. Br J Pharmacol, 171: 2767-2777. https://doi.org/10.1111/bph.12597 

Jarjou’i, A., & Izbicki, G. (2020). Medical Cannabis in Asthmatic Patients. The Israel Medical Association journal : IMAJ, 22(4), 232–235. 

Francieli Vuolo, Soraia C. Abreu, Monique Michels, Débora G. Xisto, Natália G. Blanco, Jaime EC Hallak, Antonio W. Zuardi, José A. Crippa, Cardine Reis, Marina Bahl, Emílio Pizzichinni, Rosemeri Maurici, Marcia M.M. Pizzichinni, Patricia R.M. Rocco, Felipe Dal-Pizzol, Cannabidiol reduces airway inflammation and fibrosis in experimental allergic asthma, European Journal of Pharmacology. https://doi.org/10.1016/j.ejphar.2018.11.029 

Pini, A., Mannaioni, G., Pellegrini-Giampietro, D., Passani, M. B., Mastroianni, R., Bani, D., & Masini, E. (2012). The role of cannabinoids in inflammatory modulation of allergic respiratory disorders, inflammatory pain and ischemic stroke. Current drug targets, 13(7), 984–993. https://doi.org/10.2174/138945012800675786